Saltar para conteúdo principal

Olaria de Nisa

Práticas
©DGARTES/Vasco Célio-Stills/2023

A Olaria Pedrada de Nisa é uma tradição que possui raízes profundas e históricas. Originada da necessidade de preservar e transportar água, enquadra-se na rica tradição oleira do Alentejo.

Durante a segunda metade do século XX, a função utilitária da Olaria Pedrada foi superada pela função decorativa. Nesse período, os artesãos passaram a criar peças que iam além da mera utilidade e que se tornavam peças decorativas. Pratos, travessas, miniaturas e figuras de animais foram adicionados às tradicionais bilhas, barris, cântaros e cantarinhas. A criatividade dos artesãos nisenses era evidente nas decorações complexas e na habilidade em usar pedras de diferentes calibres (chamados de pedrado de 1ª, 2ª e 3ª) para criar padrões intrincados.

O processo de fabrico das peças de olaria nisense envolve diversas etapas minuciosas. Começa com a extração do barro, utilizado na produção da pasta. Essa pasta é preparada em oficinas, onde o barro é misturado com água e as impurezas são removidas. Os barros preto e branco, usados para criar a pasta, são extraídos na própria região. A partir daí, o barro passa por etapas como a modelagem, decoração e cozedura.

A modelagem das peças é um processo que varia entre os artesãos. Alguns usam uma roda tradicional, acionada pelos pés, enquanto outros recorrem a uma roda elétrica. As técnicas tradicionais incluem o uso da "atoquina", uma espécie de mesa de trabalho, e do "barranhão", um recipiente de barro com água para molhar as mãos. A finalização da peça envolve ferramentas como a "aplanata", um pedaço de feltro, sendo então retirada da roda com um arame ou fio amarrado num pau e levada para o enxugo, a secagem inicial.

A decoração das peças é um aspeto fundamental da Olaria Pedrada de Nisa. Inicia-se com o tingimento da peça através da submersão em “engobe”, criada a partir da diluição do barro vermelho em água.

Em seguida, inicia-se o processo de empedramento realizado pelas pedradeiras, atividade executada maioritariamente por mulheres, em que as pedras de quartzo leitoso são colocadas uma a uma na peça de barro. Essa técnica, conhecida como "empedrado", é uma característica marcante e facilmente identificável das peças de Nisa. As composições são criadas por meio do risco na peça — com o recurso a agulhas de coser, dedais e casquilhos de lâmpadas — e preenchidas com as pedrinhas de quartzo leitoso — extraídas na Serra de São Miguel e cozidas para torná-las mais quebradiças —, adicionadas uma a uma.

Os motivos decorativos incluem uma variedade de elementos, desde rosas e malmequeres até bolotas, espigas e conjuntos de pedras dispostas em triângulo, chamados de "aranhas". A técnica do empedrado, cujo uso é registado desde o século XVI na Península Ibérica, é um dos maiores destaques dessa tradição. É importante notar que em Portugal, o empedrado é praticado exclusivamente nas três olarias da vila de Nisa.

O processo de cozedura das peças é realizado em fornos a gás, onde as peças são submetidas a temperaturas entre 800°C e 900°C por cerca de oito horas. Esse processo marca a conclusão do ciclo de produção dessas obras que há muito tempo se tornaram um símbolo icônico da Vila de Nisa.

A fim de preservar e valorizar a Olaria Pedrada, a Câmara Municipal de Nisa desempenha um papel ativo na promoção e proteção dessa tradição. Isso inclui a realização de cursos, exposições e apoio logístico aos artesãos que detêm esse conhecimento valioso.

  

Texto cedido pela Câmara Municipal de Nisa.

  

Bibliografia

  • RIBEIRO, Margarida. A Olaria Tradicional Portuguesa: Colecção de Margarida Ribeiro. [Catálogos]. Oficinas do Convento - Associação Cultural de Arte e Comunicação, [Montemor-o-Novo]: Oficinas do Convento, 1998.
  • CARNEIRO, Eugénio Lapa. Empedrado: Técnica de Decoração Cerâmica. (Fichas de Olaria; 1). Câmara Municipal de Barcelos, Museu de Olaria, Barcelos, 1989.
  • CARNEIRO, Eugénio Lapa. O Museu de Cerâmica Popular Portuguesa Será uma Realidade Porque Era e É de Fato Desejado por Muitos. Museu de Cerâmica Popular Portuguesa, Barcelos, 1969.
  • CARNEIRO, Eugénio Lapa. O Fim da Olaria Tradicional Portuguesa. Separata do Colóquio 2, Tomo III, das Publicações XXIX Congresso Luso-Espanhol, Lisboa, 31 de março a 4 de abril de 1970.
  • CHAVES, Luis. Nos Domínios da Arte e da Artesania: Olarias Rústicas e Cerâmicas Artísticas. Revista Etnos, Vol.IV, 1965.
  • CHAVES, Luís. Do Barro se Faz Loiças; Na Loiça se Come o Trigo…. Edição da Federação Nacional dos Produtos do Trigo, Lisboa, 1953.
  • CHAVES, Luis. Cerâmica. In: Lima Fernando de Castro e Pires, A Arte Popular em Portugal, Vol. 2. Editorial Verbo, 1972.
  • CHAVES, Luís. Cerâmica Popular de Nisa: Contribuição Etnográfica. Revista de Etnografia, nº 1, julho de 1963.
  • CID, Manuel. Bibliografia de Etnografia Alentejana. Delegação Regional do Alentejo da Secretaria de Estado da Cultura, Évora, 1993.
  • DIAS, Jorge. Da Olaria Primitiva ao Forno do Oleiro. Revista de Etnografia, vol. IV, Tomo 1, p.7, 1965.
  • FIGUEIREDO, José Francisco. Monografia de Nisa. Imprensa Nacional Casa da Moeda, Câmara Municipal de Nisa, edição fac-similada de 1956.
  • FERNANDES, Isabel Maria. Introdução à Conferência de Luciano García Alén: O Paso de Oleiros Portugueses a Galici: A Sua Viaxe polo Derradeiro Século. (Museu Aberto; 2). Câmara Municipal de Barcelos, Museu de Olaria, Barcelos, 1990.
  • Festa Ibérica da Olaria e do Barro - V. Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz, S. Pedro do Corval, maio de 1999.
  • LEAL, Pinho. Portugal Antigo e Moderno. Lisboa, 1874.
  • MATOS, Sebastião (dir.). Olaria: Estudos Arqueológicos, Históricos e Etnológicos. Museu de Olaria. Câmara Municipal de Barcelos, Barcelos, 1996.
  • MEIRA, Alberto. Cerâmica Portuguesa: Bibliografias e Notas. Porto, 1953.
  • MOURA, José Diniz da Graça Motta e. Memória Histórica da Notável Vila de Nisa. Imprensa Nacional Casa da Moeda, Câmara Municipal de Nisa, edição fac-similada de 1855.
  • Olaria. Boletim do Museu de Cerâmica Popular Portuguesa, n.º 1, Barcelos. Câmara Municipal Lisboa; Livraria Portugal [distrib.], 1968.
  • PARALTA, M. de Lourdes Seabra de Mascarenhas. Memorial em Verso da Notável Vila de Nisa, Sua História, Gentes, Usos e Costumes. Edição da autora, 1982.
  • PEIXOTO, Rocha. “Obras”. Museu Municipal do Porto. Ensino. Política. Ensaios Diversos. Economia. vol. II, Edição Câmara Municipal de Póvoa do Varzim, 1972.
  • PICÃO, José da Silva. Etnografia do Alto Alentejo. Portugália, Tomo I, 1903.
  • QUEIRÓS, José. Cerâmica Portuguesa e Outros Estudos. Editorial Presença, Lisboa.
  • RIBEIRO, Emanuel. Anatomia da Cerâmica Popular Portuguesa. Imprensa da Universidade de Coimbra, 1927. Coleção Subsídios para a História da Arte em Portugal.
  • RIBEIRO, Margarida. Instrumentos Auxiliares de Modelação, Subsídios para o Estudo da Olaria Portuguesa. In: "O Arqueólogo Português", Série III, vol. III, 1969.
  • RIBEIRO, Margarida. Engenho de Amassar o Barro, Subsídios para o Estudo das Técnicas da Olaria Popular. Série III, vol. VI, 1972.
  • VASCONCELLOS, J. Leite de. Matéria Filológica – Etimologia de Nisa, in: Brados do Alentejo, nº 333, 13, 1937.

galeria

Artes

pontos de interesse

Olaria Piedade

Artesão
Comércio

Estrada de Montalvão, nº 52

6050-326 Nisa

245 412 673

Olaria Regional de Nisa

Artesão
Comércio

Rua Dr. Sidónio Pais, N.º 36

6050-327 Nisa

245 413 281

Olaria Pequito

Artesão
Comércio

Rua 25 de Abril, 72

6050 Nisa

245 412 182

Museu do Bordado e do Barro de Nisa

Museu

Museu do Bordado e do Barro de Nisa

6050-363 Nisa

245 410 000

museubordadoebarro.cm-nisa.pt

Vídeos