Saltar para conteúdo principal

Soenga

Técnica
Soenga em Bisalhães. ©DGARTES/Lino Silva/2022

A soenga é uma cova aberta numa clareira, de tamanho variável em função da quantidade de loiça. Chega a ter vários metros de diâmetro, podendo cozer mais de uma centena de peças. «Com duração de cerca de duas horas, a atividade compreende três momentos distintos, denominados de aquecimento (destinado a evitar que a loiça se parta por efeito de uma brusca elevação da temperatura), cozedura e abafamento.» (IEFP, 2003).

O processo de aquecimento dura cerca de 20 a 30 minutos. A temperatura estimada é de 450º neste ponto, no entanto, todo o processo é baseado num conhecimento empírico, de leitura dos sinais, do som e da cor da loiça e do tempo, que a repetição da tarefa ensina a calcular. As peças são colocadas em círculo, com as aberturas viradas para o centro, onde se acende a “moínha” ou “argaço” (IEFP, 2003). 

Uma vez extinto o primeiro fogo, é o momento da montagem ou arrumação da soenga, que exige muito conhecimento do oleiro, de modo a conseguir uma cozedura o mais uniforme possível e evitar a perda de peças. Em alguns locais prepara-se o fundo da soenga com uma cama de cacos para criar uma câmara de ar. A loiça é empilhada, começando pelas peças maiores ao centro. Depois, são colocadas as peças médias e as pequenas são arrumadas nos intervalos. A pilha é coberta com lenha de pinheiro e caruma ou palha, de modo a garantir uma boa combustão, que dura cerca de 45 minutos. Quando as peças adquirem uma coloração laranja é o momento em que a soenga atinge a temperatura máxima, a cerca de 900º. É o sinal para dar início à terceira fase, o “abafamento”, em que a soenga é coberta com grandes quantidades de caruma e depois com carvão “enxuto” (carvão guardado da soenga anterior), compactando muito bem, de modo a evitar qualquer entrada de ar e garantir o isolamento total da soenga. Durante cerca de 45 minutos, a decomposição dos vapores orgânicos da combustão dos materiais combustíveis resinosos provoca a defumação, que confere a coloração negra à loiça. A desmontagem da soenga ocorre cerca de 24 horas depois, tempo que permite o arrefecimento das peças de forma gradual. Ainda assim, as peças são retiradas ainda quentes, com a ajuda de um pano ou “ranhão”. As peças estão prontas.

  

Bibliografia

  • ALMEIDA, Ana João. (2017). Manual de Iniciação à Cerâmica. Edição de autor.
  • FERNANDES, Isabel Maria; MOSCOSO, Patrícia; CASTRO, Fernando. (2009). A louça preta de Bisalhães (Mondrões, Vila Real). Museu de Arqueologia e Numismática de Vila Real | Município de Vila Real; Museu de Olaria | Município de Barcelos.
  • IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional. (2003). As Idades da Terra – formas e memórias da olaria portuguesa.
  • IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional. (2019). Rotas da Cerâmica nas Beiras.
  • Museu do Douro. (2021). Mãos que fazem Bisalhães.
  • PERDIGÃO, Teresa; CALVET, Nuno. (2003). Tesouros do Artesanato Português. Volume III – Olaria e Modelação. Lisboa | São Paulo: Editorial Verbo.
  • Processo de confeção da Louça Preta de Bisalhães. In Matriz PCI. http://www.matrizpci.dgpc.pt/MatrizPCI.Web/InventarioNacional/DetalheFicha/410?dirPesq=3 [Consultado em 16-11-2022]

galeria

pontos de interesse

Olaria Tradicional de Molelos

Artesão

Molelos, Tondela

Barraca dos Oleiros

Artesão

Molelos, Tondela

Cesário Martins

Artesão

Bisalhães, Mondrões, Vila Real  

Museu Nacional de Etnologia

Museu

Avenida Ilha da Madeira

1400-203 Lisboa

213 041 160

geral@mnetnologia.dgpc.pt

mnetnologia.wordpress.com

Feitiço da Púcara

Artesão

Raposeiras, Molelos

Artantiga

Artesão
Comércio

Molelos, Tondela

saber mais

Rota: Olaria de Barro Negro

Uma matéria que se transforma no fogo.

Documentos

Publicações

Vídeos