Saltar para conteúdo principal

Empreita de Palma

artes
©DGARTES/Vasco Célio-Stills/2022

A empreita de palma consiste no entrançar de “tiras ripadas” da folha da palmeira-anã, em longas “fitas”, e é um dos elementos mais enraizados na cultura material algarvia. Era utilizada na realização de artefactos do quotidiano rural, no acondicionamento e transporte de bens e alimentos, em objetos para uso doméstico, nos trabalhos agrícolas, na pesca e em alguns objetos de uso pessoal.

Foi uma atividade económica relevante no Algarve, desde o século XVI e até meados do século XX, como está demonstrado em diferentes registos históricos e pautas alfandegárias, que testemunham a importância desta atividade enquanto produto de exportação. Mas também como produção em série orientada para o turismo e para o embalamento e transporte de mercadoria alimentar para exportação, como os figos secos. «Nos diversos discursos sobre a região — memórias, descrições, corografias, monografias — do séc. XVI em diante são recorrentes referências àquela que no Algarve quinhentista era já uma indústria próspera.» (OLIVEIRA, 2013). 

A matéria-prima (as folhas da palmeira-anã) é abundante e espontânea na região e por isso a produção de empreita de palma prospera. Inicialmente como complemento ao trabalho agrícola, juntamente com a produção da empreita de esparto, usada para os artefactos mais grosseiros, destinados a usos mais exigentes como o trabalho nas salinas ou o transporte de cargas pesadas no trabalho agrícola. A empreita de palma era produzida maioritariamente por mulheres, a par das lides domésticas, com maior incidência no inverno. O termo “empreita” ficou ligado a esta arte por ter sido, em tempos, paga em função da quantidade produzida por dia – pago à “empreitada” (BRANCO; SIMÃO, 1997).  

A prática numa escala doméstica foi gradualmente profissionalizando-se e, no início do século XX, apareceram espaços de produção e comercialização exclusivamente dedicados à empreita de palma. Um dos exemplos mais conhecidos é a Casa da Empreita, em Estômbar, fundada em 1916 por Margarida Vasconcelos  (SANCHO 2011). A iniciativa torna-se relevante em produção e inovação, apresentando continuamente modelos novos e chega a receber um prémio internacional em 1926. Outro é Loulé, onde a empreita era necessária para embalar os frutos secos para exportação e onde apareceram, na segunda metade do século, os primeiros armazenistas de revenda de artigos artesanais.

O modo de produção dominante pouco foi alterado ao longo dos anos. No início do processo, as folhas de palma são secas ao ar e depois ripadas pelas nervuras, resultando em “tiras” que variam de largura, em função do tipo de trabalho que se pretende. A “empreita” consiste na produção de longas “fitas” feitas a partir das tiras de folha entrançadas, de diversas larguras. Cada fita é arrumada em rolo à medida que é produzida, atingindo vários metros de comprimento. Tradicionalmente, as fitas são cosidas com “baracinha” ou “tamissa”, ou com tiras de palma, para dar a forma do objeto pretendido, criando um tecido contínuo com uma trama diagonal  (BRANCO; SIMÃO, 1997).

©DGARTES/Vasco Célio-Stills/2022

As alcofas, as esteiras e as vassouras são os objetos mais referidos em antigos registos. Há ainda referência a condessas, alcoviteiras (alcofas pequeninas), balsas para transporte do almoço, gorpelhas para transporte de produtos sobre burros, seiras, chapéus ou palhetes, vassouros para caiar, capachos ou capacheiras redondas para moagem, abanicos e capachos para abanar o fogo. A variedade de artefactos é grande, havendo alguns objetos mais ligados à vida rural e outros à faina pesqueira, que caíram em desuso, deixando de ser produzidos. 

O entrançado da empreita continua, como tradicionalmente, a ser realizado maioritariamente por mulheres. A produção atual, impulsionada por um crescente interesse pelas produções artesanais, começa a atrair de novo os consumidores e estimula os artesãos a experimentar novos modelos e aplicações. Aparecem novos produtos para uso doméstico, decoração e uso pessoal. Este ressurgimento deve-se, em parte, à notável utilidade prática dos artefactos, que está a ser redescoberta no contexto de uma maior consciência ambiental, onde se privilegiam escolhas de consumo mais ecológicas. Nesse sentido, têm sido feitos vários esforços por entidades públicas para preservar a prática desta arte ​​através de abertura de espaços próprios, exposições e atividades de dinamização das artes e ofícios.

Técnicas

  • Embrandecer: Ou tornar maleável, colocando as tiras dentro de água. 
  • Branquear com enxofre ou enxofrar: As melhores fibras são submetidas a um processo de tratamento com fumo da queima de enxofre, sendo colocadas húmidas num local fechado, onde se queima uma pedra de enxofre. O recurso ao fumo de enxofre serve para remover a camada superior da folha, permitindo, por um lado, que a superfície fique mais branca, mas também porosa, para receber tingidura. Este tratamento também confere flexibilidade às fibras.
  • Ripar: As folhas são abertas para obter as tiras, também chamadas de “fervas”, de diferentes larguras, em função dos trabalhos a realizar. A largura das tiras define se a empreita é de primeira, segunda ou terceira qualidade.
  • Tingir ou pintar: Tingir tiras de palma para intercalar com as tiras de palma branqueada, de forma a criar motivos geométricos ou figurativos. O tingimento é feito a quente e através de imersão da palma, usando anilinas dissolvidas em água a ferver, seguido de um banho de água salgada para fixar o pigmento. As cores mais comuns são o verde garrafa, vermelho cor de vinho e roxo. 
  • Entrelaçar: Algumas horas antes de serem entrançadas, as tiras são salpicadas com água para as humedecer e ficarem mais macias. O entrançado de tiras de palma forma fitas, que são identificadas pelo número (sempre ímpar) de tiras usadas, normalmente entre 5 e 11, criando fitas tão longas quanto se deseje. Com as tiras ripadas, é também feito um cordel torcido fino, usado para coser – baracinha ou tamissa, esta designação varia em diferentes pontos da região. Este cordel é também utilizado na produção de vassouras, para atar um conjunto de folhas ou amarrá-las a um cabo feito de cana.
  • Coser: As fitas são justapostas e cosidas entre elas, usando uma agulha metálica e a baracinha, criando um tecido diagonal. Esta costura pode criar formas planas (para tapetes ou capachos) ou tubulares (para a produção de contentores ou das alças).
  • Bordado: Acabamento decorativo com lã (segunda metade do séc.XIX).

Bibliografia 

  • BRANCO, Conceição; SIMÃO, Jorge. (1997). Modos de Fazer. Guia do artesanato Algarvio. Região de Turismo do Algarve.
  • IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional / Delegação Regional do Algarve. (2005). Artesanato da Região do Algarve, Faro: IEFP/ DRA
  • IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional. (2011). Artes da Casa. Ambientes singulares.
  • LIMA, Rui de Abreu de (1993). Cestaria tradicional portuguesa. Feira Internacional de Artesanato. IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional.
  • LIMA, Rui de Abreu de (1997). Artesanato tradicional português III: Algarve. Lisboa: Direção-Geral de Turismo/ Associação Industrial Portuguesa.
  • PERDIGÃO, Teresa; CALVET, Nuno (2001). Tesouros do Artesanato Português. Vol. I: Madeiras, Fibras Vegetais e Materiais Afins. Lisboa: Verbo.
  • SCHMIDT, Luisa (coord.) (1994). Artefactos : o cesto e as peles. Cadernos do Expresso 2. Lisboa: Expresso / IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional.
  • OLIVEIRA, Catarina. (2013). “Empreita e cestaria no Algarve a partir de palma, esparto e cana. Antigos saberes, novos fazeres.” in Idades Entrelaçadas. Formas e memórias das artes de trabalhar fibras vegetais. Lisboa: IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional.
  • SANCHO, Emanuel (2011). “Uma casa voltada ao Sul” in Artes da Casa. Ambientes singulares. Lisboa: IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional.
©DGARTES/Vasco Célio-Stills/2022
©DGARTES/Vasco Célio-Stills/2022
Folhas de palmeira anã. Mercado Municipal, Silves ©DGARTES/Vasco Célio-Stills/2022

Sobre o material Palma

galeria

pontos de interesse

Maria Duartina Mendes

Artesão

Casa da Empreita

Loulé

Vanessa Flórido

Artesão

Projecto TASA

Loulé

Maria Odete Dias

Artesão

Casa da Empreita

Loulé

Museu Regional do Algarve

Museu

Rua do Pé da Cruz nº4

8000-404 Faro

289 870 893

museu.regional@cm-faro.pt

cm-faro.pt  

Alzira Maria Neves

Artesão

Casa da Empreita

Loulé

Museu de Arte Popular

Museu

Avenida de Brasília

1400-038 Lisboa

213 011 282

geral@map.dgpc.pt

museuartepopular.wordpress.com