Saltar para conteúdo principal

Palma

Material

Nome comum da planta

Palma, Palmeira-anã, Palmeira-das-vassouras, Palmeira-vassoureira.

Nome científico da planta

Arecaceae - Chamaerops humilis L.

Distribuição no território nacional

Sudeste setentrional e meridional, com grande incidência no Barrocal Algarvio, destacando-se a predominância da zona de Loulé.

Folhas de palmeira anã. Mercado Municipal, Silves ©DGARTES/Vasco Célio-Stills/2022

Encontrada em matos e matagais xerofílicos, em encostas soalheiras e pedregosas, e menos frequentemente em arribas litorais. Ocorre em solos secos e pedregosos, derivados de arenitos, calcários ou xistos, ácidos ou básicos. Muito abundante nos terrenos calcários do barrocal algarvio e na Andaluzia. 

  

A floração acontece em março e abril. A apanha é feita na hora de maior calor do dia, entre os meses de junho e setembro. Recolhe-se a parte interior designada por cogolhos – os olhos ou núcleos de folhas novas – que é mais tenra e de onde se extraem as fibras mais macias. As folhas separam-nas pelas divisões naturais e colocam-se a secar ao sol durante o dia e a receber a humidade da noite. Durante o processo de secagem não podem apanhar chuva, porque esta torna a fibra escura e menos duradoura. Quando se pretende manter a coloração verde, deve secar à sombra.

  

Bibliografia 

  • ABREU DE LIMA, Rui de. (1993). Cestaria tradicional portuguesa. Feira Internacional de Artesanato. IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional.
  • ABREU DE LIMA, Rui de. (1997). Artesanato tradicional português. III – Algarve. Lisboa: Comissariado do Lisboa Capital do Artesanato.
  • BRANCO, Conceição; SIMÃO, Jorge. (1997). Modos de Fazer. Guia do artesanato Algarvio. Região de Turismo do Algarve.
  • IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional / Delegação Regional do Algarve. (2005). Artesanato da Região do Algarve.
  • IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional. (2011). Artes da Casa. Ambientes singulares.
  • PERDIGÃO, Teresa; CALVET, Nuno. (2001). Tesouros do Artesanato Português. Volume I – Madeiras, Fibras Vegetais e Materiais Afins. Lisboa | São Paulo: Editorial Verbo.
  • SCHMIDT, Luisa (coord.). (sem data). Arte Factos 2. O cesto. As peles. Expresso / IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional.  
  • OLIVEIRA, Catarina. (2013). “Empreita e cestaria no Algarve a partir de palma, esparto e cana. Antigos saberes, novos fazeres.” in Idades Entrelaçadas. Formas e memórias das artes de trabalhar fibras vegetais. IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional.

galeria

pontos de interesse

Ana Afonso Conceição

Artesão

Vila Nova de Cacela, Vila Real de Santo António

Museu do Traje de São Brás de Alportel

Museu
Oficina

Rua Dr. José Sancho 61

8150-141 São Brás de Alportel

289 840 100

geral@museu-sbras.com

museu-sbras.pt  

Maria Alberto Martins

Artesão

Boliqueime, Loulé

Maria Odete Dias

Artesão

Casa da Empreita

Loulé

Maria de Lurdes Silva

Artesão

Monchique

Projecto TASA

Comércio

Rua de Portugal, 35B 8100-554 Loulé

289 416 198

mail@proactivetur.pt

projectotasa.com  

saber mais

Rota: Empreita de Palma

A versatilidade de uma arte do sul.

Publicações

Vídeos