Saltar para conteúdo principal

Mobiliário de Bunho

artes
©DGARTES/Estúdio Peso/2022

A arte do mobiliário de bunho é a técnica habilidosa de construir assentos, bancos e cadeirões, com a suave palha do bunho. Uma atividade presente nas zonas de Santarém e Alcobaça e que teve o seu apogeu entre as décadas de 50 e 80 do século passado. Os assentos feitos inteiramente de bunho são leves, duradouros e muito confortáveis. Sabemos que a aprendizagem era feita em meio familiar, e que em Portugal são feitos os mesmos modelos, da mesma forma pelo menos há três gerações, nas famílias dos últimos artesãos. Mas a origem desses modelos perdeu-se no tempo na passagem de pais para filhos. 

A atividade desenvolveu-se no “bairro” ribatejano no início do século, onde os camponeses se dedicavam à produção de esteiras e bancos de bunho nas épocas de menos trabalho agrícola. Sendo uma região que, periodicamente, recebia trabalhadores de várias zonas do país nas épocas das colheitas — os “ratinhos” da Beira Baixa, os "praieiros" da Nazaré e Peniche, os “serranhos” da Serra de Aires e Candeeiros — é difícil rastrear uma origem ao mobiliário de bunho. O caso mais emblemático é a aldeia do Secorio, onde existiram, em meados do século passado, várias oficinas. Na oficina da família Domingos Cordeiro, por exemplo, trabalhavam quatro irmãos e alguns aprendizes. Cada tanheiro «produzia diariamente duas cadeiras, ou um sofá de três lugares, ou cinco a seis tanhos.» (SANTOS, 2015).

©DGARTES/Estúdio Peso/2022

A planta do bunho existe em abundância e é de fácil acesso nas zonas onde é espontânea. É também mais macia e maleável do que outras fibras vegetais, ao mesmo tempo que apresenta resistência ao desgaste, o que atribui durabilidade aos produtos com que é feita. Estas características fazem do bunho um material perfeito para criar bancos e cadeiras confortáveis. O trabalho com o bunho é exigente, começando pelo processo de preparação, desde a apanha e secagem, até ao entrelaçar das fibras. Para poder ser trabalhada, a fibra é regada de véspera, ficando bem encharcada para não quebrar ou lascar. A parte de cima da planta, usada para o enchimento, é apenas borrifada com alguns salpicos de água, para ficar mais macia. Os caules do bunho, depois de secos e prontos a trabalhar, são cortados ao meio. A parte inferior, mais larga e forte, é usada para tecer e a parte superior, mais fina (o “enchume”), é usada para encher a peça  (PERDIGÃO, 2013: 65-75). 

O “bunheiro” ou “tanheiro” encontra-se quase sempre sentado num banco baixo, segurando o objeto em que trabalha entre as pernas. Geralmente, de um lado coloca as pontas de bunho que vai entrelaçando, e do outro o “enchume”, com que vai formando uma espiral à qual se chama “caracol” ou “chouriço”. A “mancheia” perfaz a quantidade certa de bunho para formar o recheio das rodelas, que vão sendo tecidas e sobrepostas para produzir um “tanho” (nome pelo qual eram conhecidos os bancos feitos em bunho). O artesão tem ao seu lado um recipiente com água que serve para manter as pontas e o “enchume” borrifados. A água serve também para manter as mãos molhadas, de modo a facilitar o trabalho de alisar o bunho. 

Os instrumentos e ferramentas utilizados são, geralmente, a navalha (para desbastar o bunho em excesso e para cortar o bunho imperfeito no final de cada trabalho), a “pazelha” (cunha em madeira que serve para empurrar as palhas em excesso para o interior do trabalho), a agulha (feita em aço, com o cabo em madeira, tendo na sua extremidade um buraco para passar o bunho), o regador (para regar o bunho)  (O BUNHO, CMS).

No mobiliário, em particular, a técnica utilizada para a produção, com os seus cruzamentos e nós, resulta numa trama muito característica, mantendo a coloração natural do material. Os artefactos tradicionalmente produzidos são de caráter utilitário e prático, como bancos, “maples”, mesas e cadeiras.

No sentido de preservar e dinamizar esta prática, nos anos oitenta do século passado realizaram-se cursos nos Centros de Formação Profissional mas poucos destes formandos prosseguiram na atividade. Atualmente, existem apenas dois artesãos no país a produzir mobiliário com bunho, ambos da zona de Santarém e com mais de 60 anos de idade; ao mesmo tempo, que é cada vez maior a procura dos modelos tradicionais do tanho e do cadeirão.Curiosamente, na América Central, nomeadamente no México (município de Lerma, no Estado do México), existe um modelo de banco tradicional idêntico ao tanho ribatejano, executado da mesma forma, o “taburete de tule”. 

Bibliografia

  • Águila Alonso, M. G. (2021). “Para una colaboración horizontal entre diseñadores y artesanos mexicanos” in Economía Creativa (14), 222-255. 
  • Esteiras de Bunho. In Câmara Municipal de Coimbra. https://www.cm-coimbra.pt/areas/visitar/ver-e-fazer/artesanato/esteiras-de-bunho [Consultado em 14 de Novembro de 2022]
  • IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional. Idades Entrelaçadas. Formas e memórias das artes de trabalhar fibras vegetais. Lisboa: IEFP.
  • MURTEIRA, Jorge (2022). Artisans' Voices #1 – Arménio Varela e a origem do mobiliário de Bunho. Vídeo: https://vimeo.com/721995858.
  • SANTOS, Estrela de Assunção Branco dos (2015). Os Artefactos em Bunho. Manufaturas Populares na Zona do Bairro Ribatejano. Santarém: Câmara Municipal de Santarém.
  • O Bunho – Uma Homenagem ao Mestre. http://obunho.blogspot.com/ [Consultado em 14 de Novembro de 2022]
  • O BUNHO - Câmara Municipal de Santarém (sem data)
©DGARTES/Estúdio Peso/2022
©DGARTES/Estúdio Peso/2022
©DGARTES/Estúdio Peso/2022
©DGARTES/Estúdio Peso/2022

Sobre o material Bunho

galeria

pontos de interesse

Artur Guedes da Fonseca

Artesão

Secorio, Santarém  

Manuel Maria das Neves Ferreira

Artesão

Santarém 

Museu Municipal de Santiago do Cacém

Museu

Praça do Município

7540-136 Santiago do Cacém

269 827 375

museu@cm-santiagocacem.pt

cm-santiagocacem.pt

Museu Nacional de Etnologia

Museu

Avenida Ilha da Madeira

1400-203 Lisboa

213 041 160

geral@mnetnologia.dgpc.pt

mnetnologia.wordpress.com

Museu de Arte Popular

Museu

Avenida de Brasília

1400-038 Lisboa

213 011 282

geral@map.dgpc.pt

museuartepopular.wordpress.com

Cerdeira Home for Creativity

Oficina

Lugar da Cerdeira Cerdeira

3200-509 Lousã

913 989 281

artsandcrafts@cerdeirahomeforcreativity.com

cerdeirahomeforcreativity.com