Saltar para conteúdo principal

Cestaria de Vime

artes
©DGARTES/Estúdio Peso/2022

A cestaria de vime é uma das práticas mais presentes nas artes e ofícios em Portugal. Os principais centros de produção de cestaria em vime são Gonçalo, no concelho da Guarda, e Camacha, na ilha da Madeira. No entanto, a presença do vimeiro ou salgueiro em praticamente todo o país levou à disseminação desta arte em muitas regiões, de Norte a Sul, bem como nos arquipélagos dos Açores e da Madeira.

O cesto, principal produto desta arte, diz muito sobre as atividades e a economia dos seus produtores, utilizadores e territórios. A lista de nomes atribuídos aos diferentes cestos, pela sua forma ou aplicação, é longa e varia ao longo de todo o território nacional: cabaz, alcofa, mala, poceiro, giga, cofinho, ceira, açafate, amieira, canastra, gagreleire, condessa – referindo apenas as de uso doméstico. A cestaria de vime, pela sua robustez, estava presente em muitas atividades rurais mais exigentes, nomeadamente o “cesto vindimo” (de vindimas) na Madeira. 

«A obra de vime é classificada em três categorias: a obra leve, a obra média e o mobiliário. Os cestos de vários formatos para uso doméstico e os cestos utilizados nas tarefas agrícolas, como este “cesto vindimo”, inserem-se na segunda categoria.» (DRCM).

A grande variedade de formas e usos dos cestos deve-se sobretudo à criatividade dos artesãos, uma vez que as técnicas e ferramentas usadas pouco mudaram ao longo do tempo. Com o passar dos anos e a introdução de novos produtos e materiais, a tendência foi os cestos perderem a sua utilidade prática original enquanto utensílio de transporte, para ganharem um lugar mais doméstico e decorativo (LIMA, 1993).

O empalhamento de garrafões e garrafas de vidro, para proteção durante o transporte e uso, ou para decoração, foi outra das valências dos cesteiros que trabalham o vime. «Com técnicas similares, utilizando os mesmos materiais e ferramentas, forram-se garrafas de vidro, assentos de cadeiras e uma série de peças de mobiliário, criadas a partir de uma simples estrutura de madeira, que depois é forrada e ornamentada com entrançado de vime.» (CADA). 

O mobiliário é outra das aplicações desta fibra vegetal. Durante o século XX, um dos produtos mais comercializados e apreciados foram as cadeiras, que ainda hoje se podem encontrar em espaços públicos e privados. As suas denominações variam em função da origem geográfica, da forma ou da função, como a cadeira de bordadeira da Madeira, ou a cadeira de concha. Na ilha da Madeira, a produção de mobiliário em vime foi particularmente relevante e alguns dos modelos mais disseminados no país podem ter origem nesta região, como os cadeirões de um e dois lugares com mesa baixa, mesas, estantes e baús.

©DGARTES/Estúdio Peso/2022

O trabalho de entrelaçar as guias do vime exige que este esteja maleável. Assim, o vime é armazenado depois de cozido e seco, e aí deve ser demolhado de novo, pouco antes de ser trabalhado, para amaciar e facilitar o manuseamento e o entrelaçado. 

As varas do vime podem ser trabalhadas inteiras ou rachadas. Com o auxílio da “rachadeira”, uma vara pode dar origem a 3 ou 4 tiras cortadas longitudinalmente, denominadas “liaça”, que consistem em fitas de vime que passam ainda por uma “fiadeira”, de modo a calibrar a sua espessura. 

A produção de um cesto começa pelo fundo, através do cruzamento das varas  (denominadas “ástias” na ilha da Madeira) que irão definir a sua forma e tamanho. Depois de tecido o fundo, levantam-se as guias. As paredes do cesto crescem com conformação manual ou com recurso à utilização de moldes de madeira, que permitem a constância das dimensões, bem como a reprodução uniforme das diferentes tipologias de cestos (PIRES, 2013).

Como ferramentas, são utilizados o furadouro, o martelo, pregos de vários tamanhos, a tesoura de podar, a fieira (ou “endireita toros”) e a “rachadeira”. 

Em função da origem geográfica da produção e do gosto do artesão, as obras têm diferentes tipos de acabamento e efeitos decorativos. As diferentes espécies de vime e o tipo de tratamento dado às varas – com ou sem casca, cozidas ou queimadas,  envernizadas – conferem colorações distintas, que variam entre o amarelo muito claro, o verde, o cinza e o castanho avermelhado. Estas colorações são, por vezes, conjugadas numa mesma obra, para criação de efeitos decorativos.

No continente, o trabalho em vime mantém-se com produção de norte a sul, nas vertentes de cestaria e do mobiliário. Os distritos de Braga (Barcelos) e da Guarda concentram grande parte da produção, onde se destaca Gonçalo, o centro mais representativo do país. Também se encontram produções no distrito de Évora (Montemor-o-Novo) e de Faro (Monchique e Castro Marim), sobretudo no trabalho de cestaria.

Na ilha da Madeira, apesar do conhecimento estar vivo, a falta de procura no mercado levou a um acentuado declínio da obra de vime (terminologia local). Existe no Parque Temático da Madeira, na Camacha, uma oficina onde trabalha um artesão, demonstrando todo o processo de tratamento do vime e de produção de artefactos, que são vendidos no parque (PERDIGÃO, 2013).

Nos Açores, «embora enfrentando um período difícil, o trabalho em vime continua a ser uma referência associada à tradição e à cultura do arquipélago. Os vimes, muito abundantes no passado, têm sido reintroduzidos em algumas paisagens não só com a finalidade ambiental de proteger as margens das ribeiras contra a erosão, mas também com uma finalidade social e económica, no sentido de fornecer matéria-prima para o artesanato local.» (CADA). A obra em vime está presente nas ilhas do Faial, Santa Maria, Terceira e São Miguel, contando ao todo com cerca de nove artesãos, incluindo cestaria e empalhamento de mobiliário de vime.

Bibliografia

  • BRANCO, Conceição; SIMÃO, Jorge. (1997). Modos de Fazer. Guia do artesanato Algarvio. Faro: Região de Turismo do Algarve.
  • Cestaria. In Centro de Artesanato e Design dos Açores (CADA). http://artesanato.azores.gov.pt/artesanato/fibras-vegetais/cestaria-2/ [Consultado em 3 de Novembro de 2022]
  • Empalhamento. In Centro de Artesanato e Design dos Açores (CADA).. http://artesanato.azores.gov.pt/artesanato/fibras-vegetais/empalhamento/ [Consultado em 3 de Novembro de 2022]
  • KUONI, Bignia. (2003). Cestería tradicional ibérica. Barcelona: Ediciones del Serbal.
  • LIMA, Rui de Abreu de. (1993). Cestaria tradicional portuguesa. Feira Internacional de Artesanato. Lisboa: IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional.
  • O Cesto Vindimo. In Direção Regional de Cultura da Madeira (DRCM). https://cultura.madeira.gov.pt/obras-e-artistas1/518-o-%E2%80%9Ccesto-vindimo%E2%80%9D.html [Consultado em 3 de Novembro de 2022] 
  • PERDIGÃO, Teresa; CALVET, Nuno. (2001). Tesouros do Artesanato Português. Volume I: Madeiras, Fibras Vegetais e Materiais Afins. Lisboa: Editorial Verbo.
  • PERDIGÃO, Teresa. (2013). “Vimes da Madeira” in Idades Entrelaçadas. Formas e memórias das artes de trabalhar fibras vegetais. Lisboa: IEFP – Instituto do Emprego e Formação Profissional.
©DGARTES/Vasco Célio – Stills/2022
©DGARTES/Estúdio Peso/2022
©DGARTES/Vasco Célio – Stills/2022
Vime. Vila do Porto, Açores ©DGARTES/Estúdio Peso/2023

Sobre o material Vime

galeria

pontos de interesse

Cerdeira Home for Creativity

Oficina

Lugar da Cerdeira Cerdeira

3200-509 Lousã

913 989 281

artsandcrafts@cerdeirahomeforcreativity.com

cerdeirahomeforcreativity.com 

José Amendoeira

Artesão

Almancil, Loulé

José Marques Ramos

Artesão

Gonçalo, Guarda

José Eleutério Gregório

Artesão

Monchique

José A. Roseira Nunes

Artesão

Parque Temático da Madeira

Santana, Madeira

José António Henriques

Artesão

Ferreira do Zêzere